Blogando em versos de esperança

Silhouette of Jesus

 

É sábado na rotina

De blog no ciberespaço,

Mas a tarde se espreguiça

E quase me vence o cansaço!

 

Agora não me vem fôlego

Para um artigo de impacto…

Mas a poesia me ronda

E tira leite de cacto!

 

Os tempos são tão difíceis

Que a exaustão bate à porta

Todo dia a reavivar

A esperança quase morta!

 

São empeços no trabalho

Desencontros, deserções,

Que carregamos no peito

Contundidos corações…

 

São horizontes tão turvos

Que quase se apaga o céu

São cristãos que esquecem Cristo

E andam no mundo ao léu!

 

Mas vem-me em visita a musa

Espírita, calma e forte

Que levanta meu olhar

E transcendo a própria morte!

 

– O mundo foi sempre assim!

Diz-me ela com doçura –

Um lugar de luta e dor

Onde a alma se depura!

 

Todos os que se deram

Para a semeadura boa

Sofreram e pelejaram

Mas não sofreram à toa!

 

Como bem disse o Mahatma

O bem anda como lesma

Mas chegará à sua meta

Que de todos nós, é a mesma!

 

A meta do bem comum

Da grande fraternidade

Da florescência do amor

Para toda a humanidade!

 

Cabe-nos, pois, a paciência

De uma lenta semeadura

De um arado que não pára

De uma esperança segura!

 

Que em passagem nessa terra

Sejamos rastro de luz

Porque à frente, em nossos passos

Caminha o mestre Jesus!

Anúncios
Publicado em Cristianismo, Filosofia Espírita | Marcado com , , , , | 2 Comentários

A palavra dos Espíritos e o argumento de autoridade

detail candelabra room centrepiece st thomasO que caracterizava o pensamento medieval – o que significa dizer, um pensamento em que a razão deveria ser submetida à fé – era o argumento de autoridade. Autoridade da Bíblia, autoridade de Aristóteles, por exemplo. Muita gente não sabe que vários absurdos científicos que eram aceitos na Idade Média não eram apenas por conta da Bíblia, mas por conta de Aristóteles.  Embora o filósofo grego recomendasse a observação empírica da natureza, ele era citado como fonte de autoridade filosófica e científica. Tomás de Aquino, que formulou a maior síntese entre a visão de mundo cristã (leia-se católica) e Aristóteles, o citava a torto e a direito, como autoridade. Então, por exemplo, toda a polêmica em torno do geocentrismo ou heliocentrismo, tinha como fonte argumentativa, a posição geocêntrica de Aristóteles… Continuar lendo

Publicado em Ciência Espírita, Movimento Espírita | Marcado com , , , , | 9 Comentários

O Mestre carpinteiro e sua mensagem para nós

jesus-ressucitado

A Galileia era uma região desprezada pelos próprios judeus, que por sua vez, era um povo dominado e espoliado pelo império romano (que hoje equivaleria ao Império americano),  era uma época em que não havia televisão, rádio, imprensa, internet, redes sociais – e que portanto, a comunicação era apenas oral, boca a boca, homem a homem, mulher a mulher…

Nesse contexto, nesse rincão esquecido, nasceu um homem, nasceu um profeta, nasceu um ser iluminado – que para muitos foi visto como a própria encarnação divina – que mudou o mundo e de quem estamos falando ainda, dois mil anos depois.

Esse homem escolheu doze companheiros, que eram marginalizados pela sociedade, pescadores, pessoas do povo, analfabetos – talvez um ou dois soubessem escrever, Mateus, de quem se suspeita que era cobrador de impostos (repudiado pelos judeus) e talvez Judas, que parecia ser um pouco mais intelectualizado. Mas chamou também mulheres para o seguirem, prostitutas como Maria Madalena, mulheres que viviam em família, como Marta e Maria, ricas como Joana de Cusa. Claro que a narrativa feita por homens nos Evangelhos não atribuiu a essas mulheres o título de discípulas e apóstolas. Mas a sua presença foi tão marcante, que não puderam esconder a sua importância e o quanto esse homem tratava de maneira igualitária e amorosa, mesmo as mulheres mais desprezadas e condenadas socialmente.

Só pelo menos vinte anos após a sua morte, foram escritos os primeiros textos sobre esse homem – as cartas de Paulo, a quem ele chamou para colaborar na expansão da sua mensagem, ele que era sim um homem letrado. Mas as cartas de Paulo não contavam sobre a sua vida, comentavam sobre sua mensagem. Apenas depois de mais 50 anos de sua morte, é que apareceram os primeiros escritos sobre o que fez e o que falou. Talvez um proto-evangelho de que não nos restou nenhuma cópia. As cópias que temos hoje dos Evangelhos de Marcos, Mateus, Lucas e João são todas de mais de 150 da Era, que foi chamada cristã, justamente por causa desse homem que mudou a história.

Apesar de todas essas dificuldades e da probabilidade de que uma pessoa sem recursos, sem poder, sem cátedra, sem conhecidos nas altas esferas do judaísmo ou do império, uma pessoa que andava descalça, que dizia não ter uma pedra onde encostar a cabeça, uma pessoa que foi condenada como criminosa, torturada e morta entre ladrões, fosse esquecida pela história – essa pessoa é a que celebramos até hoje, quando chega o Natal.

E apesar de séculos de lutas entre as diversas facções que disseram segui-lo, apesar das dúvidas que hoje temos sobre fatos de sua vida e das escrituras (ver por exemplo, as ponderações de Bart Ehrman), apesar das instituições que, em seu nome, mataram, perseguiram e torturaram, como Ele próprio foi perseguido, torturado e morto, sua mensagem continua intacta, ainda como um modelo possível, desejável e vivo de ação no mundo.

Jesus, o carpinteiro, o galileu, o profeta morto, o homem que tratava as mulheres com dignidade, que acolhia as crianças com respeito e admiração, que estava ao lado dos mais marginalizados e oprimidos de sua época, que se compadecia dos doentes de corpo e de espírito e os curava, que era enérgico ao condenar apenas um tipo de gente, os hipócritas religiosos (o que há de mais comum até hoje nas religiões, incluindo entre aqueles que dizem segui-lo) – esse Jesus, esse mestre, nos inspira ainda hoje para uma proposta de vida radical de desprendimento, de amor, de perdão, de paz, com valores e atitudes que são completamente o oposto dos valores que estruturam a sociedade contemporânea.

Sociedade materialista, consumista, excludente, onde as pessoas são descartáveis, onde vínculos de amor e confiança são difíceis de serem estabelecidos e mantidos, onde a injustiça rege as relações econômicas e sociais, onde a violência impera entre os indivíduos e entre as nações – essa sociedade está distante daquele que nos enviou há séculos essas mensagens:

Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra!

Bem- aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus!

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados!

No século XII, nasceu outra pessoa, numa pequena cidade da Itália, que soube vivenciar a radical plenitude dessa mensagem de Jesus. Despojou-se das riquezas, foi viver ao lado dos excluídos, tratar dos leprosos abandonados pela sociedade de então e se tornou um jogral, um poeta mendigo desse mestre galileu: Francisco de Assis.

Em nossos encontros on-line da Universidade Livre Pampédia, sobre Tradições, Livros e Espiritualidade, dezembro foi dedicado aos Evangelhos e em nossa prática de diálogo inter-religioso, captamos a belíssima aula de Frei Vitório Mazzuco sobre Francisco e o Evangelho, aqui disponível para vocês, como presente de Natal.

Que possamos neste Natal, lembrar de Jesus, com mais intensidade, com mais amor, com mais sintonia com sua presença e com sua mensagem.

Não há outro caminho: enquanto não pusermos coletivamente em prática, seus ensinos de amor, perdão, solidariedade, desprendimento e paz, o mundo continuará nas sombras. Mas há luzes brilhando na estrada sombria: as luzes dos que sabem viver a sua mensagem nesse mundo e a luz dele próprio, o Mestre, nos olhando com o amor de sempre!

Publicado em ética, Cristianismo | Marcado com , , , , | 7 Comentários

A maratona de 2017 e a mensagem de Natal

jesus-children-37775-print

O ano de 2017 foi uma maratona, em que todos corremos e suamos, nos desesperamos às vezes, desanimamos outras, intensificamos nosso esforço outras tantas… O mundo está mergulhado num turbilhão, o Brasil está sofrendo um desmonte em tudo o que tinha duramente construído (com idas e voltas, avanços e retrocessos) nos últimos 100 anos: universidades públicas, sistema de saúde, educação pública, direitos dos trabalhadores, direitos humanos, pesquisa científica, proteção ao meio ambiente e todo e qualquer outro setor que se queira mencionar. Os horizontes são difíceis e se estamos cansados com o ano que se finda, ficamos ainda mais cansados, quando pensamos no ano que se inicia. Lutas intensas, trabalho árduo e, sobretudo, esforço redobrado para manter a esperança, a energia e o sonho – é o que sem dúvida nos espera. Continuar lendo

Publicado em Cristianismo | Marcado com , , , , , , , , | 1 Comentário

A vida encarnada se vive na Terra e para a Terra.

poverty-reuters-embe_111516053802Não te esqueças da fome que devora 
Teus irmãos agonizando entre riquezas
Não te esqueças
Dos abutres guerreiros
Que dividem o tempo em guerra e paz para o banquete metálico dos lucros.

Ouve, ouve ao longe
Sacudindo continentes e oceanos,
O soluço do mundo
Ouve o coro
Não dos anjos celestes nimbados de luz
Mas dos anjos terrenos famintos e sujos
Fenecendo como flores na lama 
Ouve o clamor dos povos esgotados
Ouve o urro dos irmãos convertidos em chacais 
E atira-te
Atira-te
Atira-te
a construir sobre o sangue e as lágrimas 
certo
sereno
firme
seguro
confiante
como o ferreiro que conhece o poder do martelo
o ritmo da forja

José Herculano Pires (Cântico de Libertação, livro Argila)

 

Quem sabe responder quantos conflitos armados estão em andamento no mundo, desde guerras civis até conflitos entre países? Quantas pessoas foram retiradas de suas casas devido a esses conflitos, os chamados refugiados? Continuar lendo

Publicado em ética, Cristianismo, Espiritismo e Sociedade, Movimento Espírita | Marcado com , | 3 Comentários

Coração, aparência e coerência religiosa: quando a prática se distancia da essência

640px-Parrocel-étienne-Jesus-Samaritaine

“E disse-lhes: Por que estais dormindo? Levantai-vos e orai, para que não entreis em tentação.”

(Lucas, 22:46.)

Dos quatros Evangelhos considerados canônicos, o terceiro deles, assinado por Lucas é o único que traz um pouco mais sobre as figuras femininas que acompanhavam Jesus. Estudiosos consideram que somente o gentio teria dedicado espaço significativo a elas porque, diferente dos hebreus, não comungava com a ideia de que mulheres seriam inferiores aos homens, tampouco impuras, como prega a Torá (Antigo Testamento). Continuar lendo

Publicado em ética, Cristianismo, Espiritismo e Sociedade | Marcado com , , , , , | 7 Comentários

O ponto de vista da montanha: Kardec e Comenius

Comenius Rumo ao Exílio peq

Numa das suas páginas mais brilhantes, Kardec nos convida a olhar a vida do alto da montanha. Dependendo do ponto de vista em que nos colocamos, conseguimos ver as pequenezas desse mundo, sua efemeridade, sua desimportância. De fato, se estamos no alto e vemos a estrada lá embaixo, tudo parece pequeno e, mais, enxergamos onde a estrada vai dar, e vemos que as sinuosidades do caminho não impedem a chegada ao final da caminhada.

Pois bem, estamos num momento nacional e internacional em que nos sentimos muitas vezes extenuados, desesperançados, moral, física e espiritualmente sobrecarregados. Muito individualismo feroz, incentivado pelo modo de vida competitivo da sociedade de consumo nos causa inúmeras decepções pessoais. As relações fluidas são fonte de angústia e depressão para muitos.

O cenário político também nos ensombrece os horizontes. Pessoas conhecidas, amigas ou adversárias, familiares, confrades da mesma comunidade espiritual (em nosso caso, espíritas) manipuladas pela mídia e sem se darem conta, muitas vezes, de que estão usando discursos de ódio, apoiam potenciais ditadores ou líderes de evidente má fé, que defendem a violência e a violação dos direitos humanos fundamentais – esses mesmos que estão na Constituição brasileira e na Declaração Universal dos Direitos Humanos. Isso nos dói.

A vida cotidiana, a luta insana pela sobrevivência da maioria da população humana, da maioria do povo brasileiro, numa sociedade com um tremendo fosso social em que meia dúzia de pessoas detém a maior parte da riqueza e a maioria tem de viver em regime de quase escravidão (ou às vezes mesmo em escravidão explícita) tudo isso também nos esgota, nos murcha por dentro e provoca adoecimento psíquico e físico.

Como achar saída? Como transcender?

Só mesmo a visão da montanha a que se referia Kardec. Só mesmo sabendo que por pior que o momento se nos apresente, tudo passa nesse mundo.

Lembro-me sempre de uma frase de Gandhi a respeito. Quando ele se sentia desesperado, lembrava-se que todos os tiranos morreram, que todos os grandes Impérios caíram…

A questão é conseguirmos manter a mente nesse diapasão do além do tempo, do alto da montanha. Parece que uma multidão de pensamentos e angústias teimam em habitar nossa mente e não conseguimos tantas vezes apaziguá-la. Para isso, a meditação, a prece ou aquilo que eu e uma amiga minha chamamos de kit sublimação ­(livros, músicas, filmes que nos elevem…) são instrumentos que nos ajudam a subir na montanha e olhar de cima.

Hoje, como algumas vezes tive a felicidade em minha vida, senti a presença magnífica, elevadíssima do Mestre Comenius e ele me ditou a mensagem abaixo. Enquanto ele se manifesta, consigo captar um pouco do que é estar nesse permanente estado de olhar acima – no caso dele, muito mais do que no alto da montanha, a sensação é de um olhar cósmico. A terra e suas excentricidades, suas bizarrices, suas trágicas violências mesmo, parecem brincadeiras de crianças birrentas, parecem machucados passageiros que um beijinho de mãe pode curar. A eternidade está aí. A morte não existe. A dor é um átimo. E quando entramos nessa sintonia, tudo parece estar certo, nada fora do lugar, por mais que nossa visão do fundo do vale aumente de forma dramática os cenários sombrios em que estamos.

Em seu livro O Labirinto do Mundo e o Paraíso do Coração – obra prima de espiritualidade, escrita em pleno século XVII, Comenius já nos indicava que o peregrino desse mundo labiríntico só pode achar a paz dentro de si, onde se encontra com Deus. Mas ele não deve e não pode permanecer estático com essa sensação de conforto supremo. Tem que voltar ao mundo e agir nele, para mudá-lo, mas sem se deixar contagiar pelas sombras que nele reinam.

Um dia, a paz que tivermos acendido dentro de nós será a paz que veremos reinar sobre a Terra.

Aqui a mensagem de hoje do mestre Comenius. Espero que o leitor possa senti-lo e entrar nessa sintonia de infinito e de eternidade!

Aos corações cansados

A trilha está cheia de espinhos, mas é a trilha certa.

O caminho é cansativo, mas levará ao alvo.

O alvo é distante, mas a eternidade é nossa garantia.

As forças são limitadas para cada trabalhador do bem, mas a fé move montanhas.

A sensação de solidão às vezes nos acomete em algum recanto da estrada, mas há mais peregrinos que seguem conosco, visíveis e invisíveis.

A ideia de impotência nos assalta de vez em quando, mas o poder de Deus é infinito e dele participamos, só a escala de tempo é mais ampla do que o minuto terrestre.

O mundo vive mergulhado num turbilhão de sombras, mas há luzes acesas e cada um de nós pode ser uma lamparina ou um pequeno sol no caminho de nossos irmãos.

Não desanimeis! Perseverai!

Acalmai vossas mentes, porque é tudo tão passageiro no mundo e só o amor se estende além e só o Bem brilha para sempre!

Comenius

Médium: Dora Incontri – 25/11/2017

Publicado em Cristianismo, Filosofia Espírita | Marcado com , , , , , | 4 Comentários